quarta-feira, 7 de junho de 2017

Velejadas - 1o. semestre 2017

Então,

Após a viagem de férias a coisa foi devagar quase parando, mas no sentido de coisas novas ou cagadas novas. Como fomos beeem longe para os nossos parâmetros, tanto tempo e tão variados lugares é certo que queremos mais, bem mais e voltar pro quintal de casa é fodss.
Fico imaginando o que sente quem dá a volta ao mundo e retorna pra casa.

Pra não dizer que não fizemos nada, navegamos sim, mas aquele feijão com arroz, (Ilha do Teixeira, Cobras, Mel, Peças) a exceção foram as regatas e uma rápida visita à Ilha dos Papagaios, aquela do meu encalhe ali na entrada do Varadouro, ohh lugar lindo.

28 Jan 2017 - Ilha do Teixeira

Tivemos a visita do irmão da Leandra e da namorada. Ela tinha medo de água quando não dava pé, com muita calma fomos mostrando o que fazer e logo pegou o jeito e em seguida quase foi escalada pra ajudar a limpar o casco hahahaha. Dono de barco é assim, enquanto o povo se diverte você inventa uma brincadeira de mergulhar e já que esta mergulhando porque não passar um paninho no casco, quilha, leme e rabeta, limpar tomas de casco, hélice, Rabeta e as entradas de água, etc etc etc. Por acaso você sabe qual o melhor barco do mundo? Resposta laaa embaixo no "PS"

Foto de celular é uma desgraça mas foi o que deu pra fazer

Tai o elemento

E a tarde conseguimos uma velejadinha basica, 4.5 nós de velocidade já da pra brincar


04 Mar 2017 - Ilha das Peças

Pra não perder o costume fomos até a Ilha das Peças, é uma das poucas praias da baia, deve ter mais mas essa é a preferida. Têm restaurantes e com sorte crianças para o Marco brincar.


Dessa vez deixei o barco em frente ao restaurante e não la no rio. 





25 Mar 2017 - Ilha do Teixeira

Passeio de fds só até a ilha do Teixeira. Desta vez foi show de bola pra velejar, já sai da poita à vela. Após uns muitos bordos passei a ilha distante 5 milhas isso tudo porque o vento é de frente, na cara.

Animados pensamos em seguir até a ilha das cobras mas o vento miou as 14:40h e ficamos a deriva, ai o jeito foi ligar o vento de porão.

Abaixo o tracklog (traçado) da velejada


A todo pano

e com 400 litros de água nos tanques, mais 50 potável, mais 100 litros de diesel, mais 30 kg do botinho, mais 30 kg do motor do botinho, mais 10 kg de gasolina, mais xxxx kg de cerveja,carne etc etc etc e ainda assim chegamos a 6 nos de velocidade. Parece pouco, mas estávamos quase que com capacidade máxima de carga e no ESTOFO, quando a maré não sobe nem desce.


Quando acabou o vento, voltamos para a Ilha do Teixeira pra passar a noite próximo aos queridos amigos do Veleiro TUTATIS, Sandra e Prieto. Barco que, lamentavelmente já foi vendido, pois estava na nossa mira, só faltou dinheiro.

Aqui estávamos tentando fazer funcionar meu AIS

E no fim da tarde seguimos para o CNA


17 Abr 2017 - Regata Ilha das Cobras

De novo me meti em regata, não gosto muito porque não tenho equipamento correto pra isso, mas aprende-se alguma coisa. Se todos os barcos fossem de cruzeiro seria diferente, mas competir com quem é construído pra andar rápido é frustrante, mas fomos.............

Olha como amanheceu Antonina.


E como la é a caçarola do inferno de quente, em 2 toques a neblina desapareceu


Já na largada foi frustrante, com a maré na vazante, acabei passando da boia de largada e tive que voltar e SEM VENTOOOO levei uma eternidade.


Seguimos em último, o destino era a ilha das Peças, umas 10 milhas aprox.

Tínhamos que contornar uma boia que era NO canal e nessa chegou um navio,,,,, mas um puta navio e claro que íamos passar ao mesmo tempo, ai aproava pro vento pra diminuir a velocidade, deu certo e o cara passou.

E nessa (não tenho fotos) a marinha me fez uma visita, alias 2 pra perguntar sobre a regata. Que nao deveríamos estar ali etc e tal... Ok comandante, sem problemas, respondi e fui...


E não é que deu o 3o. lugar de novo


Chegamos e a juría (comissão da regata) já pronta pra ir pra terra, nem  nos esperaram. Ultimo lugar é fodsss.

Quando em terra o Marco só sossega se tem companhia, ai esqueçam do piá


Dia seguinte fomos para um lugar chamado Puruquara, acho que é assim que se escreve.  Lugar tranquilo, água espelhada e um silencio ensurdecedor, já que só escutamos o zumbido do ouvido hahahahaha.

Seguimos em 4 barcos, Furioso, Prisma, Austral e Day off


Essa é a entrada do canal ainda na baia. Pensa num canal estreito, raso e perigoso é lá


Mas olha só o lugar.




Todo mundo a Contrabordo comendo, bebendo, contando historias e planejando outras.

Essa foi a última foto, mas no retorno tivemos um encalhe, isto é 2. Pra navegar nesse lugar, TEM QUE SEGUIR O TRAÇADO, porque é um canal muito estreito e numa dessas o Pádua, do Austral, se distraiu e bummm. ja ficou na margem.

Tentamos adernar o barco pelo mastro e nada,,, vira mexe rola e a água baixando, quando me dei conta já estava 1 palmo abaixo da linha d´agua, ai o Pádua amarrou na proa e o Furioso, com tudo a sua fúria retirou o barco do lugar tudo isso muito, mas muito rápido.

Enquanto comemorávamos o feito, foi a vez do Prisma encalhar. Ele é um veleiro de aço pqp de pesado de 36 pés aí meu caro,,, o bicho pega porque nem o Furioso com toda a sua fúria não ia mover 1mm aquele barcão do lugar. Por sorte seu potente conseguiu sair sem muita dificuldade. Mas que apertou, ahh apertou hahahahaha.

De resto foi tranquilo,,, sem vento, claro. Maré contra óbvio e quando chegamos na poita um puta ventão pra atrapalhar, ninguém merece.

Por agora é só, semana que vem temos novidade.

PS: é o barco do amigo. hahahahaha

T+

JD